Hidratando a Alma: Palestra “Perdas de Entes Queridos” – Célia Diniz

12 maio 2019

Ooooieeee!

Primeiramente Feliz Dia das Mães a todas as mamães.

E partiu hidratar a alma. Para a palestra espírita de hoje escolhi uma mulher top que perdeu dois dos seus 3 filhos: Célia Diniz.

O primeiro desencarnou aos 3 anos e teve sua história contada no filme “As Mães de Chico Xavier” (Post aqui). A segunda morreu aos 27 anos por causa da dengue. E mesma assim Célia prossegue a vida dando palestras e levando os seus exemplos para outras mães que estão nas mesmas situações.

A palestra aconteceu no dia 08 de Março de 2015, no Centro Espírita Caminheiros do Bem em Auriflama (interior de São Paulo) e teve como tema Perdas de Entes Queridos.

(Clique aqui para conhecer o conteúdo exclusivo no Instagram)

Célia comenta que a Doutrina Espírita é extremamente consoladora, pois é possível encontrar respostas que nenhum outro lugar possui. E diz sobre o quanto os espíritas ignoram o tamanho do patrimônio espiritual que possuem.

A palestrante explica a diferença da palavra “perda”. Pois se perdem coisas, objetos, porém, nunca pessoas. E lembra que a morte não tem o dom de separar daqueles seres que amamos.

Diz que somente os pensamentos elevados que vão dar suporte para superar tamanha dificuldade. Fala que o luto maternal é aparente, mostra-se até sem querer.

Célia comenta sobre as frases que são faladas quando uma pessoa falece, principalmente se ela for jovem. E que a morte é o contrário de nascimento e encarnação e não existe o contrário da vida, pois ela é uma só.

Também lembra sobre como as pessoas de fora tem a visão sobre os espíritas, o desencarne e o sentimento (ou a falta dele, segundo a maioria). E conta a história da morte do seu filho de 3 anos, de como perdoou a babá pelo acidente e sua vivência de luto, mesmo já sendo espírita.

Diniz fala sobre o planejamento de reencarnação, carma imediato e como as mortes precoces acontecem para o despertar espiritual dos pais, acaba sendo um convite para o melhoramento.

Relembra seus pais, principalmente o convívio que seu pai tinha com Chico Xavier e o dia do seu desencarne.

Fala da morte da filha e as diferenças entre o falecimento de um filho criança e outro já adulto e com todo um convívio.

Por fim, diz que a maior dor realmente é perder o filho para a vida e as drogas.

Minha gente! Que exemplo maravilhoso. Em todos os momentos sendo realista e nunca impediu a dor de vir a tona, mais sempre aprendendo e crescendo como ser humano. Sensacional!

Que todas as mulheres que estejam passando pela mesma situação, tenham Célia Diniz como uma referência a ser seguida.

Qualquer dúvida ou sugestão é só escrever nos comentários ou enviar um e-mail para contato@hidratarvicia.com.br

Beijos! 😉

(0) Comentários
Sobre
Ooooiee! Eu sou a Juliana, mais pode me chamar de Ju. :) Nasci e moro em Porto Alegre / RS. Sou Jornalista. Amo escrever. Sou espírita e adoro um hidratante corporal. Vem conferir como é normal ser espírita....ou vice versa. :P

Você pode também gostar

Comente pelo Facebook

Deixe seu comentário