Nahema – Lenda de Feitiçaria – Wera Krizhanovskaia

27 agosto 2019

Nahema – Lenda de Feitiçaria / Wera Krizhanovskaia / Pelo Espírito J.W. Rochester / 160 Páginas / Editora do Conhecimento / ☆☆☆☆☆

SkoobGoodreads

Oooieeee!

De todas as indicações de livros e cosméticos, com certeza, a grande vencedora em número de dicas é a dupla Wera / Rochester ou somente pelo espírito Rochester. A obra mais acessível para leitura foi Naema, a Bruxa, indicada por uma seguidora lá no Instagram.

Encontrei a obra com outra denominação: Nahema – Lenda de Feitiçaria. Analisei e vi ser a mesma história. Então né? Sem problemas.

Bora para a resenha conferir todos os detalhes.

(Clique aqui para conhecer o conteúdo exclusivo no Instagram)

RESUMO:

Rochester busca um capítulo terrível da História para criar esta narrativa: a época em que as sombras da Idade Média ainda acobertavam os horrores da Inquisição. Este é, portanto, um depoimento vivo e intenso sobre o poder sem limites de uma instituição implacável e os tremendos efeitos cármicos que desencadeou. 
As vidas de Lori, a bela Leonor de cabelos dourados, e Walter, o fidalgo que a pretendia desposar, são despedaçadas pelo despotismo da mãe dele, que pretendia vê-lo casado com outra. Ela busca a nefanda saída de denunciar a inocente jovem ao tribunal da Inquisição, como adepta de bruxaria. Nessa época, o braço de ferro da Igreja esmagava quem queria, e inocentes se tornavam culpados da noite para o dia. 

É então que a sombra desencadeada atrai mais sombra. As forças negras, na figura de Leonard, príncipe das Trevas, intervêm para arrastar a alma condenada pelos homens a uma condenação ainda pior. Leonor fraqueja, e sua vida se perde por atalhos sombrios – os mesmos em que se desgarraram almas sem conta, no caminho da luz. E acaba arrastando Walter. Mas, ao final de toda treva, a luz divina vai buscar, como a madrugada, os perdidos na escuridão. 
Esta é uma história da eterna luta do bem contra o mal, e dos abismos a que a alma humana pode levar a si e aos outros, mas também do equilíbrio que a Lei Divina impõe fatalmente na transformação de toda sombra em luz. Ao leitor, convidamos a um mergulho neste fantástico enredo, atentando aos ensinamentos de renúncia que esta bela obra encerra.

O livro é um romance antigo e conta a história de Walter e Leonor. Ela é de uma família humilde e bem nova. Ele é um fidalgo, onde a mãe tenta a todo custo forçar um casamento socialmente aceitável.

Os dois se apaixonam e tudo estava bem, até que armam para Leonor a fazendo passar por bruxa por causar feitiços em Walter e por isso ele estar apaixonado por ela.

Naquela época feitiçarias, magias e derivados eram considerados crimes e a pena era a morte. Por isso Leonor foi presa junto com outras realmente bruxas e feiticeiras, até ser “solta” por Leonardo / Leonard e levada para um lugar misterioso.

Considerada morta, Leonor passa a ser presa de Leonard e Walter segue sua vida, entrando na ideia da mãe e casando-se por conivência social.

Por vingança, Leonard cria uma estátua denominada Naema, onde a mesma possui “a energia”, o “perispírito” de Leonor. A obra é enviada no dia do casamento de Walter e ele fica perdidamente apaixonado pela estátua.

Aos poucos vai largando a sua fé, seus amuletos, a sua vida para somente ficar em voltas de Naema. Sutilmente ele vai sendo obsediado e todos em sua volta vão reparando.

Tudo começa a dar errado e por causa de Naema ele vira culpado e a população o considera bruxo / feiticeiro. Ele foge e se torna presa de Leonardo também. Ao contrário da inocente Leonor, ele não aceita tudo que se passa no castelo e consegue ser resgatado por Lázaro.

A partir de então, Walter começa a sua jornada espiritual e de arrependimentos pela vida mundana, vaidosa e egoísta. Obviamente muitas obsessões e tormentos aconteceram para ele mudar de ideia. Com firmeza de propósito, ele vira monge e começa a ajudar as pessoas ao seu redor.

Um ponto importante a ser comentado é: Conhecemos o passe de forma benéfica. Nesse livro é mostrado como esse dom também pode ser utilizado negativamente.

No começo eu estava entendendo vários nadas da história e depois fui compreendendo. Tudo parece ser tão fantasioso, mas ao meu ver, foram metáforas de pessoas obsediadas e obsessores. Assim como as ajudas do bem e essas lutas e sabotagens acontecem mesmo quando nos propormos a evoluirmos e melhorarmos.

O texto é de fácil entendimento, mesmo sendo de antigo. E a leitura é um pouco truncada até você começar a compreender o enredo.

Eu gostei bastante da história, apesar de não ter sido meu livro preferido da parceria Wera / Rochester.

Onde Achar:

Livro Físico:

E-book:

(Blog ganha comissão por venda)

Já leu Nahema? Me conta a sua experiência de leitura nos comentários. 😉

Qualquer dúvida ou sugestão é só escrever nos comentários ou enviar um e-mail para contato@hidratarvicia.com.br

Beijos! 😉

(0) Comentários
Sobre
Ooooiee! Eu sou a Juliana, mais pode me chamar de Ju. :) Nasci e moro em Porto Alegre / RS. Sou Jornalista. Amo escrever. Sou espírita e adoro um hidratante corporal. Vem conferir como é normal ser espírita....ou vice versa. :P

Você pode também gostar

Comente pelo Facebook

Deixe seu comentário