Hidratando a Alma: Filme Carandiru – Héctor Babenco

24 julho 2021

Oooiiieeee!!!

Partiu hidratar a alma nesse sabadão com o filme espiritualista de hoje: Carandiru, lançado em 2003, com direção de Héctor Babenco, com participações de Rodrigo Santoro, Milton Gonçalves, Wagner Moura e Caio Blat e está disponível na Globo Play.

Antes, um aviso: O filme possui diversos gatilhos. Se você estiver sensível emocional ou espiritualmente, não leia a resenha nem assista a cinematografia. Qualquer coisa, procure auxílio no CVV.

(Clique aqui para conhecer o conteúdo exclusivo no Instagram)

SINOPSE:

Um médico (Luiz Carlos Vasconcelos) se oferece para realizar um trabalho de prevenção a AIDS no maior presídio da América Latina, o Carandiru. Lá ele convive com a realidade dos cárceres, que inclui violência, superlotação das celas e instalações precárias. Porém, apesar de todos os problemas, o médico logo percebe que os prisioneiros não são figuras demoníacas, existindo dentro da prisão solidariedade, organização e uma grande vontade de viver.

A obra conta o mundo paralelo e, ao mesmo tempo, tão corriqueiro do que foi o maior presídio da América Latina chamado Carandiru, que era localizado em São Paulo e foi implodido em 2002.

Tudo começa quando Drauzio Varella na figura de Luiz Carlos Vasconcelos resolve trabalhar no presídio na prevenção a AIDS. A partir de então, várias histórias dos presidiários são descortinadas, inclusive as energias daqueles que por lá desencarnaram também.

Com isso, além das questões tradicionais, temos a homossexualidade tanto na via amorosa quanto na promiscuidade e todas as suas problemáticas, aqueles que acabam formando mais de uma família enquanto presos, as questões de poder e subordinação e aqueles que apenas tentam sobreviver em meio ao caos.

Também conhecemos histórias de regeneração como o personagem Chico, que cumpre a sua pena de forma digna e vai embora tão melhor como se nunca tivesse entrado lá e indo na contramão na grande maioria dos indivíduos na mesma situação.

Mais do meio para o fim, a energia que, antes era de poder e autoritarismo, se transforma em remorso, culpa e tentativa de abrir os olhos. De tanto matar lá dentro, um deles começa a ser perseguido pelos espíritos vingativos. Ou seja: Matou para ser livre e ficou mais preso ainda com esses seres. No fim, o mesmo não estava mais sabendo se estava louco ou realmente vendo os desencarnados desejando respostas e vinganças e acaba buscando auxílio com os evangélicos do local a procura de paz.

Finalizando, como todos já sabem, mostra a tão famosa chacina que aconteceu no local e neste caso, fica muito explícito as questões de energia e merecimento também. Quem não estava envolvido em energias tão densas, consegue passar praticamente ileso pelo acontecido. Inclusive possui uma cena muito emblemática de vários heterossexuais sendo mortos e o casal gay consegue sobreviver por estar alheio a todas as questões e…apenas curtindo a vida vendo novela como em qualquer relacionamento tradicional.

O filme em si é pesadíssimo, com algumas passagens leves com aqueles personagens que estão conseguindo a regeneração. As questões espirituais estão presentes ao longo de toda a narrativa e ficam mais fortes em alguns momentos.

Além da obra em si, vale a pena assistir a vídeos que abordam as questões espirituais fixas no lugar, mesmo depois de tanto tempo de implosão e de ter virado uma praça. É de cortar o coração e de um tamanho aprendizado também.

Qualquer dúvida ou sugestão é só escrever nos comentários ou enviar um e-mail para contato@hidratarvicia.com.br

Beijos! 😉

(0) Comentários
Sobre
Ooooiee! Eu sou a Juliana, mais pode me chamar de Ju. :) Nasci e moro em Porto Alegre / RS. Sou Jornalista. Amo escrever. Sou espírita e adoro um hidratante corporal. Vem conferir como é normal ser espírita....ou vice versa. :P

Você pode também gostar

Comente pelo Facebook

Deixe seu comentário